Caí na net. E agora o que eu faço?!

capa-caiu-na-net

Com todas as polêmicas que surgiram junto com o Secret, um assunto muito delicado voltou a tomar as capas de vários portais e programas de televisão. A exposição da vida íntima das pessoas. Basta uma pesquisa sobre “caiu na net” em qualquer rede social ou buscador para você entender a popularidade deste termo.

O problema não são as novas ferramentas, não é algo que surgiu recentemente, mas tem ganho um nível diferente de exposição com o crescimento da popularidades de serviços como o WhatsApp, que facilitam bastante a divulgação de fotos e vídeos. Ferramentas como o Snapchat também ajudam, já que dão a falsa impressão de que as fotos serão apagadas e por isso as pessoas acabam arriscando mais do que deveriam.

Talvez você se pergunte: “Mas por que o WhatsApp, se há tanta pornografia na internet?” – Eu te respondo. Pelo fato de ser uma forma de consumir este tipo de conteúdo “passivamente”, ou seja, a pessoa recebe e não precisa ir atrás do conteúdo. O problema ainda é o mesmo, mas as pessoas encaram de uma forma diferente. “Eu não tenho culpa, o pessoal mandou no grupo lá!”

Outro fator que contribui para esse problema é o acesso fácil a câmera fotográfica, obviamente. Hoje em dia praticamente qualquer um tem um smartphone ou uma câmera digital e isso torna tudo mais fácil para quem quer gravar algo ou alguém discretamente – ou nem tão discretamente também.

De uma forma geral, podemos perceber que o problema é que há muito menos “fricção” para esse tipo de conteúdo ser coletado e propagado. Isso muda tudo. Porque como citamos antes, o ato de tornar a distribuição deste conteúdo “passiva”, faz com que a pessoa tenha menos dificuldade de chegar até ele.

Nem vou me aprofundar na terrível consequência disto, como a destruição da vida de jovens adolescentes que estão vendo as suas vidas privadas se tornarem públicas, as vezes sem saber. Há dezenas de casos de jovens que entram em depressão por coisas assim, e em alguns casos o problema é ainda pior e existem casos de jovens que tiram a sua própria vida por não suportar a pressão, como é o caso da Julia Rebeca, no final de 2013.

O problema é claramente ainda pior para os jovens, que geralmente tem uma dificuldade muito maior de superar problemas desta natureza, principalmente jovens que ainda estão no colégio. Esta faixa etária é complicada pela falta de noção de responsabilidade, algo sobre pensar em seu próprio futuro, e claro, pela falta de força psicologica para aguentar uma exposição tão grande.

Mas já sabemos de tudo isso e tem alguém espalhados fotos/vídeos meus por aí, o que eu faço?!

Primeiro passo é se acalmar. Isso é muito importante. Na internet nada some, então nesse exato momento você não tem muito o que fazer. Caso esteja acontecendo com algum filho(a), pense em como resolver o problema e não como colocar ainda mais pressão na cabeça da pessoa. Caso seja um jovem, procure apoio de seus pais, por mais difícil que seja.

Segundo passo é coletar informações. De onde surgiu esse vídeo/foto? Quem gravou? Quando foi o ocorrido? O quão exposto(a) você foi? Isso é importante para tentar chegar a fonte do problema, ou seja, quem passou aquilo adiante pela primeira vez, o chute inicial. Além disso, é importante tirar print screen de tudo que você tiver que possa ser usado como provas do ocorrido, isso vai ser importante depois para achar o culpado e tomar as medidas legais necessárias.

O terceiro passo é tentar remover o conteúdo para diminuir o estrago que aquilo já causou. Dependendo onde foi compartilhado, será mais fácil ou mais difícil conseguir isso. E em qualquer que for o caso, procure a pessoa que compartilhou e peça para que delete, sabemos que isso é mais complicado, mas não deixar de tentar. Lembre-se de informar que o que a pessoa está fazendo é crime e que a colaboração dela pode lhe ajudar. Como isso provavelmente não resolve o problema, confira exemplos do que fazer em algumas mídias sociais:

  • Facebook > No caso de o conteúdo ter sido compartilhado no Facebook, denuncie a publicação e peça para o máximo de pessoas que você conhece para que denuncie a mesma publicação, isso vai agilizar o processo. Você pode fazer isso clicando em “Opções” e “Denunciar Publicação” ou “Reportar Foto”, dependendo do tipo de conteúdo. Você irá seguir um passo-a-passo onde você deve definir porque está reportando aquele conteúdo. Peça para os seus amigos fazerm o mesmo.
  • reportar-fotos-no-facebook

  • WhatsApp > Se o problema for com o WhatsApp, a história é mais complicada. Você não tem como reportar um conteúdo específico, apenas há nas “Configurações > Ajuda > Fale Conosco” um campo para enviar qualquer comentário. Isso pode ser um bom começo, tentar pedir ajuda diretamente.
  • YouTube e sites de vídeos pornográficos > Caso se trate de um vídeo hospedado em algum lugar, é importante procurar uma forma de notificar aquele site como impróprio, a grande maioria dos serviços de vídeo possuem essa opção, geralmente reconhecida por uma “bandeirinha” (como no exemplo abaixo) ou procurando pelos termos “report” ou “flag”.
  • youtube-denunciando-conteudo-improprio

  • Blogs > No caso de um blog, você pode denunciar a publicação se estiver em algum serviço gratuito, como Blogger, WordPress ou Tumblr. Caso tenha sido publicado em um blog hospedado pelo dono, você tem menos opções, pois não poderá nada além de entrar em contato direto com o autor ou tentar descobrir qual serviço de hospedagem ele usa e entrar em contato direto com o responsável pela hospedagem.

Acesse este site para saber como reportar conteúdo inapropriado em algumas outras mídias sociais.

O quarto passo é juntar todas as informações que você coletou e ir até a delegacia mais próxima. Nestes casos o ideal seria ir direto na Delegacia especializada em Crimes Cibernéticos, que é focada em crimes digitais. Infelizmente não existem estas delegacias em todas as cidades, daí você deve ir em uma delegacia comum procurar ajuda. Existem dezenas de delegacias focadas em cibercrimes, você pode conferir uma lista de telefones endereços delas neste site.

Abra um Boletim de Ocorrência (o famoso BO) com o máximo de informações que você tiver. Quanto mais informações tiver, melhor. Documente tudo que for possível. Quem publicou o conteúdo, print screen de todas as telas, lista de links onde aquilo está disponível, quem participou da gravação do vídeo ou da foto em questão.

O quinto passo é ter paciência e calma. Agora já foi. Vamos fazer o máximo para diminuir o problema. Evite aumentar ele fazendo ameaças à pessoa que compartilhou, por exemplo. Ainda dentro deste tópico, dependendo bastante do caso, é claro, mas é aconselhável a se manter um pouco afastado das redes sociais neste momento. Evite dar mais audiência ao problema. Caso as pessoas estejam praticando bullying em cima deste ocorrido, tente remover as suas publicações ou até, em caso extremo, o seu perfil das redes sociais. A medida pode parecer extrema, mas irá facilitar para as pessoas esquecerem de você um pouco e também será mais difícil para pessoas que não te conhecem te associarem com o fato.

O sexto passo é ir atrás de um advogado, de preferência algum com conhecimento na área digital, para ir atrás de seus direitos. Caso você saiba quem foi o responsável, poderá ir atrás de seus direitos e pensar em indenização para você e prisão para os envolvidos.

O sétimo passo será se preparar para o outro dia. Isso pode mudar bastante dependendo de onde você estuda ou trabalha e se essas pessoas com quem você convive tiveram acesso a esse conteúdo. Caso não, menos mal. Siga sua vida normalmente. Caso sim, mantenha a calma e saiba que algumas pessoas vão comentar, mas logo vão esquecer. Se alguém vier falar com você, explique a situação. Se ninguém falar nada, deixe o assunto morrer sozinho.

Acredito que estes passos contemplem quase todo o processo difícil que você está passando ou irá passar, mas lembre-se de ser sincero(a) com todos e que provavelmente nada do que você fez é errado (no caso de fotos ou vídeos de nudez ou sexo, por exemplo). Procure seus amigos para apoiar você e sempre é recomendado procurar ajuda de um psicólogo, caso você ainda não tenha, para lhe ajudar a passar por este momento.

Não se preocupe, tudo passa e com o tempo as pessoas esquecem. Muitas pessoas já passaram por isso é vivem normalmente, não tem porque esquentar a cabeça. Não dê importância para os julgamento alheios neste momento.

Em casos mais extremos, a troca de colégio pode ser uma boa idéia, mas pense bem em todos os problemas que isso acarreta e converse com seus pais e familiares sobre o assunto.

Tem mais alguma dica para quem está passando por isso? Deixe nos comentários, pois isto poderá ajudar ainda mais pessoas.

Uma pequena atualização, o Gizmodo fez uma lista (em inglês) de dicas para evitar que as suas fotos nuas vão parar na internet, vale a pena dar uma olhada.

Atualização 26/10/2014 – 19:00
O Youpix deste ano teve uma mesa de discussão muito interessante sobre o assunto com Bruno Ferrari, Estela Machado e mediacão de Dani Arrais, que você pode conferir aqui:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=tI7V2n7QFqk /]

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail