Por que no mobile os pequenos se destacam e os grandes sofrem?

Antes de começar já aviso que provavelmente não vou responder as suas perguntas, mas sim criar várias outras.

Nos últimos tempos temos visto empresas fazerem grandes aquisições no mundo mobile. Só para lembrar os casos mais recentes, Instagram e Gowalla pelo Facebook e Draw Something pela Zynga. Todos estes aplicativos/serviços foram comprados por alguns milhões de dólares. Você deve estar pensando: “Será que não teria sido mais barato desenvolver um concorrente?”

Se formos analisar melhor o “universo mobile” vamos perceber que a grande maioria dos sucessos que apareceram nos últimos tempos seguiram essa mesma regra, são investimentos de pequenas startups que acabam sendo adquiridas por grandes companhias posteriormente.

Mas porque as grandes empresas não conseguem criar seus próprios aplicativos de sucesso?

Essa é uma questão bem mais complexa do que parece e quem souber a resposta poderá ganhar alguns milhões de dólares em um futuro próximo. Acontece que as grandes novidades geralmente são trazidas por pequenas empresas, aquelas que muitas vezes parecem nem ter futuro, mas tem convicção de que podem fazer algo diferente e por isso não tem nada a perder.

Em um mundo capitalista de concorrência tão forte pode realmente parecer difícil ser inovador , afinal, não são todas as empresas que tem dinheiro sobrando para gastar em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias/serviços que podem não trazer nenhum retorno financeiro. Projetos “sem futuro” dificilmente sobrevivem neste mundo corporativo. Se até o Google “desistiu” de seus laboratórios. Lembram do Google Labs? Foi fechado no final do ano passado.

Grandes empresas como Google, Apple, Microsoft e algumas mais recentes, como o Facebook, são inovadores e criativos em suas áreas, não podemos negar, mas geralmente apenas para melhorar o que já fazem, não para criar coisas novas. Estas empresas são pressionadas a inovar, mas quando o fazem, “ninguém entende” ou mesmo são processadas por infringir alguma patente ampla demais. Então será que eles realmente querem coisas novas?

As startups pequenas são mais “moleques”, geralmente começam com uma pessoa e uma ideia na cabeça. Foi assim que a maioria começou, Instagram, Foursquare, Digg, Tumblr, Draw Something, Formspring,…  (o que mais podemos citar aqui?). Mas não podemos nos iludir, a maioria esmagadoras das novas empresas acaba falhando em algum ponto e declaram falência depois de algum tempo.

Mas o objetivo aqui é pensar um pouco mais no universo mobile, que é onde as startups tem mais se destacado.

O ecosistema de aplicativos relativamente “aberto” dos smarthones e tablets acabou abrindo espaço para que pequenas empresas e desenvolvedores criassem aplicativos que realmente chamassem atenção de todos, deixando qualquer grande empresa para trás. Hoje em dia é “fácil” uma pessoa com um pouco de conhecimento em tecnologia criar sua aplicação e, caso não der certo, deixar tudo para traz e considerar aquilo apenas uma experiência de vida. E caso seja um dos poucos que da certo, poderá receber investimentos milionários ou mesmo acabar sendo comprado pelo Facebook.

Twitter, Foursquare, WhatsApp, Angry Birds, Instagram, Evernote, Draw Something e vários outros aplicativos foram criados por poucas pessoas que conseguiram sobreviver a concorrência com grandes empresas. Veja o Angry Birds, um jogo de desenvolvedor independente que já vendeu mais que o clássico Mario. A maioria dos aplicativos acaba tendo uma concorrência forte depois que fazem sucesso, ainda mais com grandes empresas entrando no mesmo mercado.

O que sobra? Empresas grandes engolindo pequenas empresas para tentar se encaixar neste universo mobile que elas ainda não entenderam perfeitamente. O Twitter, que também já foi um dos pequenos, já comprou algumas empresas nos últimos tempos como o TweetDeck e Posterous. E o Google e Facebook então? Juntas já adquiriram mais de 100 empresas, como você pode ver nesta e nesta lista.

Será que muitas pequenas empresas podem acabar com os grandes?

Podemos perceber então que as grandes empresas não estão conseguindo se dar bem no mundo inovador dos aplicativos porque nem sempre conseguem fazer algo muito diferente do que já fazem. Muitas vezes o caminho de comprar uma empresa menor parece mais fácil do que criar 10 projetos e ver boa parte deles falhar antes de trazer qualquer retorno. Desta forma, até que faz bastante sentido apenas comprar empresas menores e dar continuidade em seu trabalho, afinal, desta forma você já tem uma projeção de mercado melhor, não está “apenas testando”.

Portanto sobra a opção de adquirir as empresas menores e tentar incorporar os pequenos serviços aos seus conglomerados ou mesmo utilizar aquela equipe para se qualificar na área mobile. Podemos perceber isso no caso do Gowalla e Posterous, que foram comprados pelo Facebook e Twitter, ambos focando na equipe e não apenas no serviço adquirido.

 

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail