Estão dizendo que o Facebook vai desaparecer até 2020. Dá para acreditar?

Parece que o Facebook pode estar com os seus dias contados, pelo menos é o que alguns analistas estão prevendo. Facebook dura apenas até 2020, você acredita?

Eu confesso que até não acharia muito ruim e realmente acredito que essa informação possa se concretizar de alguma forma. Mas não acho que isso vá acontecer tão cedo e provavelmente não será tão de repente também. Sabemos que as redes sociais são muito recentes e muitas delas já vieram, foram e tantas outras estão surgindo.

E o Facebook tem um grande problema nas mãos, conseguir monetizar a sua presença em dispositivos moveis. Com mais da metade de seus usuários já utilizando o Facebook através de seus celulares e tablets, e este número aumentando, é apenas uma questão de tempo até que o Facebook não consiga mais gerar receita o suficiente para sustentar o seu serviço.

A ameaça de “bolha das redes sociais” e os péssimos resultados na bolsa de valores também não estão ajudando a empresa a se safar. Claro que este é um cenário um pouco pessimista, mas devemos encarar que uma empresa de poucos anos ter um valor de mercado maior do que empresas centenárias mostra que este mercado é imprevisível.

Mas por que o Facebook não pode simplesmente conseguir monetizar o seu serviço móvel?

Acontece que não é tão simples uma empresa que começou no desktop migrar para o mobile do dia para a noite. Ao contrário de serviços como o Foursquare e o próprio Instagram, o Facebook começou como um serviço web desktop, feito para computadores, e o futuro das redes sociais mostra que a mobilidade se torna o foco central dos serviços.

O Google também começou com desktop, mas está indo muito bem ao se adequar ao futuro móvel que parece nos aguardar. Por que ele conseguiu? Porque eles tiveram muito mais tempo, sempre analisando e pensando nisso. Todo o seu investimento no Android com certeza influenciou muito no futuro de boas relação entre o Google e os dispositivos móveis.

Não podemos esquecer que os desktops dão aos serviços muito mais espaço para ser explorado com a publicidade, no Facebook, por exemplo, você pode ser exposto a 6 ou 7 mensagens publicitárias em apenas 1 tela, enquanto nos dispositivos móveis você dificilmente verá mais que um formato.

Já falamos um pouco sobre como a publicidade deve se enquadrar aos dispositivos móveis.

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail