Design Responsivo: Entenda o que é a técnica e como ela funciona.

O conceito de design responsivo não é uma grande novidade, mas tem chamado bastante atenção nos últimos tempos com o crescimento do mercado de dispositivos móveis, principalmente por conta dos tablets e celulares de tamanhos e resoluções cada vez mais variadas.

Só para você saber, o layout do Midiatismo é um exemplo de design responsivo.

Neste novo contexto dos navegadores e várias resoluções, o design responsivo surge como uma evolução lógica do design de sites, também conhecido como web design. Antes grande parte da internet era acessada por resoluções e navegadores muito semelhantes. Até pouco tempo atrás bastava fazer um site que funcionava em Internet Explorer com resolução máxima de 1024×768 pixels que tudo estava resolvido, claro existiam outras características, mas a grande maioria estava nesse mesmo grupo – no máximo havia os usuários de Mozilla Firefox. Hoje tudo mudou, temos TVs de 50″ polegadas acessando internet, temos celulares que tem telas de 2″ até 5″, os ~phablets~ de 5″ até 7″, tablets de 6″ até 14″ polegadas (ou até mais) e sem contar os próprios computadores, que tem telas de netbook até os iMacs da Apple, colocando a margem de 11″ até mais de 26″ polegadas.

Todos esses tamanhos de tela e ainda nem entramos no quesito resolução, que aumenta ainda mais a gama de possibilidade. Só aqui no blog Midiatismo, segundo nosso Google Analytics, tivemos 1841 resoluções diferentes de tela acessando o site em 2014.

Layout do Midiatismo utiliza a técnica de design responsivo.

Layout do Midiatismo utiliza a técnica de design responsivo.

Layout do Midiatismo utiliza a técnica de design responsivo.

Esta característica demonstra que um site pode ser visto de diversas formas e em diversos contextos, e é para isto que os sites devem estar preparados. O design responsivo, como o próprio nome já indica, consegue responder ao tamanho da tela para se adequar da melhor forma. Ao invés de criar dois sites separados, um para mobile (smartphones e tablets) e um para desktops, como também é possível fazer, você faz apenas um site que vai se adaptar muito bem a qualquer tela em que ele for carregado.

Quase 20% dos 10.000 maiores sites do mundo utilizam design responsivo.

Você faz um site responsivo ou vai fazer dez sites diferentes

Uma das principais vantagens do design responsivo também se torna um grande problema para as agências digitais. Se você quer que o seu site esteja adaptado aos celulares, smartphones, tablets, notebooks, desktops e TVs, você provavelmente teria que fazer pelo menos 5 sites diferentes. A evolução do design responsivo mudou bastante isto, conseguindo trazer a vantagens de ter diversos sites para um só lugar.

Mas esta facilidade de adaptação também cria um problema para as agências digitais e todos aqueles profissionais que trabalham no desenvolvimento de sites. Como cobrar um site com design responsivo? Você deve somar o valor de vários serviços ou deve ter um valor diferenciado? Você deve oferecer design responsivo em pacotes diferenciados onde cada um tem foco em certos dispositivos?

Entendendo como o layout responsivo se comporta.

Entendendo como o layout responsivo se comporta.

Claro que o design responsivo não resolve todos os problemas e talvez nem seja a solução para todos, mas definitivamente é um caminho a ser seguido e ainda mais explorado. Muitos defendem que o melhor caminho ainda é um site dedicado a cada dispositivo que pode – e deve – se aproveitar de técnicas de design responsivo.

Há também quem aponte que o design responsivo não é a solução completa, já que ainda não consegue ser totalmente otimizado aos celulares (principalmente no quesito peso e velocidade de carregamento), mas ainda parece ser a melhor solução em relação a custo benefício.

O principal “tendão de Aquiles” do design responsivo para web sites é justamente a falta de otimização. Uma imagem para ser responsiva, apenas se adapta ao tamanho da tela, mas caso a tela seja pequeno (como de um smartphone), ela irá apenas carregar a imagem grande e redimensionar, o que não é muito eficiente. Mas esse problema deve ser resolvido nas próximas versões do HTML e CSS, além do mais, há diversas técnicas que ajudam a otimizar essa questão.

A importância da adoção de padrões na internet

Apesar da existência dos padrões da W3C para tentar igualar as ferramentas baseadas em web, quem desenvolve para essa área sabe que os padrões não são assim tão padronizados – quem diga o Internet Explorer, pelo menos até a sua versão 9 ou anterior, que se recusava a seguir os padrões da W3C.

Hoje em dia não há apenas dois navegadores centrais para você se preocupar. Até pouco tempo atrás você fazia o site funcionar no Firefox e – com muito trabalho – no Internet Explorer 6 e 7. Hoje temos Internet Explorer (7, 8, 9 e 10), Firefox, Google Chrome (Desktop, tablet e celular), Safari, Opera (desde desktop até o da televisão) e vários navegadores menores. Tudo isso sem contar a proliferação de sistemas operacionais, hoje em dia não existe “apenas” o Windows, também devemos nos preocupar com o Mac, Linux, Android, iOs, Windows Phone e por aí vai.

A adoção e evolução dos padrões de internet nunca foram tão necessárias como estão sendo agora.

Meme para desenvolvedor de websites.

Meme para desenvolvedor de websites.

Mas há um contraponto em relação a isso. O Google tem conseguido dominar o mercado de navegador com o Google Chrome e hoje alguns sites chegam a ter mais da metade de suas visitas através deste navegador. Se levarmos em conta que o Apple Safari, Opera e vários outros navegadores usam o motor do Google Chrome por baixo dos panos, o famoso WebKit – que desde 2013 se transformou no Blink -, percebemos que alguns sites tem 80-90% das visitas do sites vindas destes navegadores, sobrando pouco mercado para o Internet Explorer (ou mesmo o Microsoft Edge, novo navegador da Microsoft).

Media Queries e o User Agent

Estes dois termos são essenciais para entender como os navegadores interpretam os sites. Em primeiro o user agent, comumente utilizado para diferenciar o usuário quando ele está acessando através do celular ou do navegador desktop. Já o “agente de usuário” (tradução literal, por favor, não utilizem ela!) é a função dentro do site que identifica a plataforma do visitante.

Geralmente o user agent função é utilizada para diferenciar o site mobile do site normal fazendo apenas uma verificação de navegador e sistema operacional – na verdade ele verifica algumas outras questões mais técnicas que não vem ao caso agora. Mas o problema é que muitos dispositivos e navegadores acabam não entrando na lista, portanto não são redirecionados para o site correto.

Por exemplo, quando você acessa o fictício www.exemplodesite.com.br e é redirecionado para o m.exemplodesite.com.br é porque provavelmente ele identificou que o seu user agent era mobile. O problema é que se você usar, por exemplo, o Firefox para Android, ele não vai ser identificado e irá mostrar o www.exemplodesite.com.br (Obs.: usei Firefox para Android como exemplo porque isto ocorreu recentemente comigo, mas já pode ter sido corrigido).

uset-agent do primeiro iPad era este:

Mozilla/5.0 (iPad; U; CPU OS 3_2_1 like Mac OS X; en-us) AppleWebKit/531.21.10 (KHTML, like Gecko) Mobile/7B405

Já os media queries (que podemos traduzir como “Conferência de Mídia”[?]) são uma propriedade do CSS (“código de estilo” das páginas web) que identifica qual a mídia aquele site está sendo carregado e atribui determinado estilo a ela. O design responsivo atual trabalha basicamente com esta função, modificando tamanhos, dimensões e formatos conforme o tamanho da tela do usuário. O media querie pode ser utilizado para identificar quando a página é utilizada para impressão, por exemplo.

Por exemplo, se você abrir o Midiatismo e redimensionar a tela do seu navegador, quando esta função do CSS identificar que se trata de uma tela menor que 760 pixels de largura, ele irá mudar o visual do blog, sem ter nenhuma alteração no conteúdo carregado, apenas na forma como eles estão dispostos dentro do navegador.

Você pode entender mais sobre as media queries através desta documentação da W3C.

Só media queries não bastam. Seria impraticável criar uma media querie para cada resolução existente — seriam milhares! Devemos usar poucas media queries e fazer o layout fluir entre os breakpoints.

O segredo é não usar pixels nas medidas, mas priorizar um layout mais fluído e flexível baseado em porcentagens e ems.

Seria até possível criar um site mobile apenas com essa ideia, sem usar media queries. Se tudo for porcentual, o design se adaptaria a todas as resoluções. Mas, na prática, não seria um design capaz de aproveitar o potencial de cada dispositivo. As media queries permitem ajustar o design pensando em adaptar e melhorar a experiência do usuário.

Sérgio Lopes

Como o design responsivo é visto pelos buscadores

Esta técnica de design já é defendida por muitos já faz algum tempo, mas só recentemente começou a ganhar destaque depois que o Google confirmou indiretamente que para a área de SEO (otimização para buscadores) o design responsivo é o mais indicado. É mais fácil para o Google perceber que o www.exemplodesite.com.br tem um layout que se adapta a qualquer tela do que entender que o www.outroexemplo.com.br, o m.outroexemplo.com.br e o tablet.outroexemplo.com.br são todos o mesmo sites e não estão apenas copiando conteúdo um do outro.

Segundo a página de ajuda do Google para design em smartphones, a recomendação é a seguinte:

Google recommends webmasters follow the industry best practice of using responsive web design, namely serving the same HTML for all devices and using only CSS media queries to decide the rendering on each device.

If responsive design is not the best option to serve your users, Google supports having your content being served using different HTML. The different HTML can be on the same URL or on different URLs, and Googlebot can handle both setups appropriately if you follow our recommendations.

Google Webmaster

Ou em tradução literal:

Google recomenda que os webmasters sigam a melhor prática da indústria usando design responsivos, oferecendo o mesmo código HTML para todos os dispositivos e usando apenas media queries de CSS para decidir como a informação deve ser renderizada.

[…]

Como lembrado pelo pessoal da Agência Mestre, o Google começou a mostrar o termo mobile-friendly (amigável a dispositivos móveis) junto dos resultados de pesquisa, o que mostra que a adaptação do seu site para os dispositivos móveis pode ajudar a posicioná-lo melhor, assim como deve influenciar na hora de o usuário clicar no seu site ou não.

Design responsivo, design adaptivo, design fixo, design líquido ou design fluído?

Com a utilização em larga escala do conceito de design responsivo, surgem todos os dias novas teorias e nomes para definir melhor esta técnica. Nesta discussão acabam entrando diversos novos nomes, como design líquido, fluído, adaptivo e fixo. Mas o que exatamente significam todos estes termos?

Não há um consenso ainda para a utilização destes termos, vários autores e profissionais da área defendem diferentes visões sobe este mesmo problema, mas o fato é que o termo “design responsivo” é amplamente aceito e utilizado no mercado.

Vamos entender um pouco melhor cada conceito. Lembrando que está é a minha visão e a definição de cada termo pode variar conforme o autor que você procurar. De fato, estes termos ainda estão sendo discutidos e possivelmente em um futuro próximos vamos ter definição mais aceitas.

Design de largura fixa: Este é o formato que se utilizava anteriormente e muito usado ainda hoje em dia, talvez o mais comum por enquanto. Neste modelo a página tem tamanho fixo para tudo, independente de onde está sendo visto. Se o site tem tamanho de 1024x600px, este será o tamanho dela em qualquer circunstância. Quando utilizada está técnica, o desenvolvedor acaba se obrigando a criar um site para desktop e um totalmente novo para os smartphones.

Exemplo: http://www.apple.com/br/http://www.ubuntu.com/ (O site do Ubuntu agora é responsivo também)

Design adaptivo ou responsivo: Nesta técnica o site é construído de forma que ele tente se adaptar o melhor possível a tela em que esta sendo carregado. Ela utiliza principalmente as media queries para definir como o site deve se comportar em cada momento. Neste caso é utilizado uma mistura do design fixo e design fluído. Muitos concordam que o do design adaptivo e o responsivo são a mesma coisa, porém outros autores acreditam que há pequenas diferenças entre eles, cruciais para a identificação de cada um.

Exemplo: http://www.midiatismo.com.br/http://foundation.zurb.com/

Design fluído ou líquido: Apesar de ter ainda outras variações no nome, esta técnica é na verdade uma versão menos complexa do design adaptivo. Este tipo de design se preocupa em construir tudo em porcentagens, nunca utilizando números fixos na sua construção. O tamanho do site será, por exemplo, 80% da tela. Na TV ele ocupara 80%, no desktop 80% e no celular, 80%. Na utilização desta técnica geralmente você terá que ter uma versão para celular e uma para desktop da mesma forma, mas a vantagem é que dentro do desktop ele irá se adaptar melhor a vários tamanhos de tela, ao contrário do fixo, que será igual para todos.

Exemplohttp://thenextweb.com/http://pt.wikipedia.org/

Obs.: É importante lembrar que um site pode unir estas três técnicas em apenas um site, misturando blocos fixos com blocos em porcentagens e utilizando media queries para adaptar a diferentes telas.

Quero fazer o meu site responsivo. Por onde é melhor começar?

Depois que você descobre a existência do design responsivo, geralmente fica empolgado querendo aplicar isto a seu site também. Mas como começar?

A verdade é que você provavelmente precisará reconstruir boa parte do seu site. Mas para ter um pouco menos de trabalho, recomendo que procure utilizar frameworks que já trabalhem com o design responsivo. Frameworks são estruturas de código já prontas que trazem consigo diversas linhas em CSS, JavaScript e HTML já escritas, facilitando bastante o trabalho do desenvolvedor do site.

Entre os frameworks mais conhecidos podemos citar os seguintes:

Como você pode ver, existem dezenas.

 Leituras Recomendadas:

Para visualizar melhor a conversa sobre design responsivo:

O pessoal da Froont fez uma série de GIFs que deixam um pouco mais visuais os conceitos utilizados nestas técnicas, como você pode conferir abaixo:

Design Responsivo vs Design Adaptivo

GIF sobre design responsivo e design fluido

Apesar de muito parecidos, estes conceitos tem uma pequena diferença. Na animação você consegue ver que o responsivo vai responder ao tamanho da tela imediatamente, enquanto o adaptivo vai se adaptar conforme ela aumenta/diminui.

Mobile First vs Desktop First

O conceito de mobile first tem ganho muita atenção, pois é uma forma diferente de visualizar o processo de criação de um site. Ao invés de fazer um site para computadores e depois adaptar ele para as telas menores, no mobile first você cria primeiro a versão de celular e depois adapta ela ao desktop.

Tamanho Máximo

Uma questão comum dentro deste tipo de projeto é se ele terá um tamanho máximo (a grande maioria dos sites têm). Você pode construir o site de uma forma que ele irá sempre se adaptar ao tamanho da tela ou pode fazer de uma forma que ele se adapte até determinado tamanho, depois deste tamanho, ele sempre irá se manter da mesma forma (ou seja, deixará de ser responsivo após determinada largura).

Breakpoints

GIF sobre os breakpoints

Dentro do layout de um site você pode definir breakpoints, que podemos traduzir como “pontos de interrupção”. Estes pontos definem se algum objeto deve mudar alguma propriedade caso atinga determinado parâmetro. Espere, vou explicar melhor. Você pode criar um destes “pontos” para que, caso a tela seja maior ou igual a 1024px, o fundo troque de cor. Qualquer valor menor que este, mantém a cor original. Esta técnica é muito comum em sites responsivos, pois através destes breakpoints você consegue modelar os objetos do seu site dependendo do tamanho da tela do dispositivo que está sendo utilizado.

Unidades Estáticas vs Unidades Relativas

GIF sobre unidades estáticas e relativas

Uma mudança de conceito muito importante para quem vai começar a trabalhar com design responsivo é que utilize o máximo possívels de unidades relativas, ou seja, unidades que mudam de acordo com o tamanho da tela. Ao invés de definir que o tamanho do objeto é 1000px (que é uma unidade fixa), você irá definir que ele terá 100% (que é uma unidade relativa). Unidades relativas se adaptam ao contexto em que estão e isso é a essência do design responsivo.

Fluido vs Fixo

GIF sobre design fluido e fixo

Objetos fixos tem tamanho definidos (por unidade estáticas), enquanto os objetos fluídos tem tamanho variável (por unidades relativas).

Imagens vs Vetores

Nesta animação você consegue ver a diferença entre usar imagens ou vetores. Dentro do design responsivo isso acaba fazendo bastante diferença, pois quando possível você deve usar vetores, que redimensiona automaticamente, independente de quanto zoom você der. Por isto é muito comum utilizar “fontes de ícones”, que são fontes que funcionam como vetores. Uma das mais utilizadas é o Font Awesome, mas existem dezenas de outras. Um ícone feito em imagem pode perder qualidade, dependendo da densidade e tamanho da tela em que ele for visualizado, um vetor (ou fonte de ícone) não tem esse problema.

Fontes de Sistema vs Web Fonts

As fontes de sistema são todas aquelas fontes que já vem instaladas no seu sistema operacional. As fontes padrão de cada sistema variam bastante entre Microsoft Windows e Apple Mac OS, por isso recomenda-se utilizar as “WebDesign Safe Fonts” que são basicamente fontes presentes em todos os sistemas. Neste site há a lista de fontes seguras para web. Mas, por outro lado, se você quer explorar mais a tipografia dentro do visual do seu site, poderá utilizar as chamadas “web fonts“. Estas fontes são carregadas diretamente no navegador e aplicadas dentro do site. Existem diferentes formas de se utilizar está técnica, mas em todas elas depende do usuário fazer download (automático) da fonte utilizada, por isso, em alguns casos, pode levar alguns segundos até a fonte carregar corretamente. (As icon fonts, citadas anteriormente, são um tipo de web fonts.)

Objetos Aninhados

Outro termo bem comum dentro do design responsivo é falar sobre objetos aninhados ou não. Objetos aninhados são aqueles que estão dentro de um espaço determinado, como uma div. Caso os objetos não estejam aninhados, eles flutuam livremente dentro do seu layout.

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail