Perfil do brasileiro nas mídias sociais: pesquisa eCMetrics

No dia 14 de fevereiro de 2011, a eCMetrics divulgou o estudo “Perfil do brasileiro nas Mídias Sociais”, um estudo inédito e realizado no mês de dezembro de 2010 com 2.440 participantes. Os entrevistados selecionados fazem parte da comunidade eCGlobal e foram entrevistados aleatoriamente pela internet.

Dados da pesquisa

Com cinco objetivos centrais, a pesquisa da eCMetrics visou entender:

  • >Em quais áreas do mercado os consumidores estão mais propensos a criar, disseminar e procurar mídia social;
  • >De que forma os consumidores recorrem à Internet para auxiliar na tomada de decisão de compra;
  • >Como as ferramentas de web 2.0 são usadas pelos consumidores;
  • >Quem são os consumidores que criam conteúdo, criticam, disseminam e se conectam com outras pessoas;
  • >Quem são os consumidores online, aqueles que costumam participar de ações na Internet e aqueles que costumam colaborar com as empresas na geração de novas ideias.

A partir dos objetivos, o primeiro tópico identificado visa apresentar quais as áreas de maior interesse para usuário da Internet no Brasil, dentro da amostra da pesquisa. Segundo a eCMetrics, as três áreas de maior interesse são: tecnologia e eletrônicos (95%), tecnologia portátil e móvel (94%) e CDs e DVDs de música (94%).

Dentre os 2.440 participantes da pesquisa, 5% compartilham ou comentam nas mídias sociais, 15% cria algum tipo de conteúdo e 60% apenas pesquisam na Internet sobre um assunto de seu interesse. Estes dados dizem respeito às categorias de interesse citadas acima. No entanto, outro dado importante é que destes 60%, 10% gostaria de se envolver mais nas mídias sociais, ou seja, produzir mais conteúdo e 10%não tem nenhum interesse em participar mais.

Quem produz e quem consome

Dentro da amostra da pesquisa, constatou-se que:

  • Mulheres entre os 18 e 24 são as que mais interagem na web. Criando ou comentando conteúdos;
  • Homens entre 18 e 34 são a maioria no grupo de coletores de informação;
  • Homens da classe CDE, entre 18 e 34 ano,s formam o maior percentual de “joiners”, ou seja, que aderem às ações nas mídias sociais;
  • A faixa etária dos 45 anos ou mais, de ambos os sexos, são o maior grupo de consumidores de informação na Internet.

Educação

Quem está em busca de informações na Internet, tem como temáticas de maior interesse os softwares (29%), livros (26%), energia e meio ambiente (26%), finanças pessoais (26%) e tecnologia portátil ou móvel (25%).

Diversão

Quando o assunto é diversão, as áreas com maior interesse são: brinquedos (24%), filmes (24%), CDs e DVDs de música (23%), games (23%) e cinema (18%).

Atendimento

Algumas áreas demandam foco no atendimento, pois possuem produtos de alto valor ou que demandam mais informações. De acordo com a pesquisa, as áreas que demandam mais atenção com o cliente são: Finanças pessoais (23%), eletrodomésticos (23%), medicamentos (18%), cosméticos (18%) e automóveis e acessórios (16%). Olha a dica para quem precisa investir em mais conteúdo.

Experiências

Áreas que trabalham com o boca-a-boca tendem a se favorecer de ações relacionadas às experiências de consumo de serviços ou produtos. De acordo com os dados, as áreas de viagens (18%), restaurantes (15%), comida (15%), livros (13%) e galerias e museus (11%) levariam vantagem neste tipo de ação.

O que os internautas fazem na Internet

Pesquisar é palavra-chave de quem usa a Internet. Todas as principais atividades realizadas online têm relação com as buscas, pois:

  • > 81% usa a Internet para pesquisar preços;
  • > 74% pesquisa por imagens, modelos e opções de itens ou produtos;
  • > 68% pesquisa características como desempenho e tamanho de produtos;
  • > 67% pesquisa onde é possível comprar o que desejam;
  • > 64% pesquisa lançamentos.

Conclusões

Depois desta chuva de dados e informações, o relatório sobre o Perfil do brasileiro nas mídias sociais aponta para o uso cada vez maior de ferramentas 2.0 para relacionamento entre marcas e pessoas. O brasileiro já está inserido nestas ferramentas e quer que as empresas participem e interajam por meio destes canais.

Empresas que adotarem e manterem relações de troca, não apenas uma comunicação de mão única com seus clientes obterão vantagens competitivas. O índice de brasileiros nas redes sociais é um dos mais elevados do mundo, só este dado já sinaliza para onde as empresas devem apontar seus esforços.

No entanto, a postura empresarial de broadcaster não será fácil de alterar. Empresas com vários anos de mercado, com gestores despreparados para esta troca certamente ainda demorarão a se adaptar.  Entretanto, os tempos são outros, os consumidores estão mudando e a postura hostil e autoritária de empresas do século XX será um dos principais elementos de seleção natural. Ouvir seu consumidor – onde ele estiver – e aprender com os erros serão pontos cruciais, em breve.

Para acessar a apresentação ::aqui(“http://www.slideshare.net/eCMetricsBrasil/perfil-dobrasileironasmidiassociais-6906660″,”clique aqui”)::

PUBLICADO POR

Camila Porto de Camargo

Formada em Comunicação Institucional na UTFPR. Trabalhei durante 2 anos no site Baixaki Tecnologia e hoje presto serviços de produção de conteúdo e consultoria na área de comunicação na Internet, consultoria em redes sociais e ministro o Curso de Facebook para Empresas.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail