Pelo o que os jovens estão abandonando o Facebook?

Já faz tempo que estão questionando a popularidade do Facebook com os jovens, mas o assunto tem ganhado ainda mais força ultimamente, ainda mais depois que o Facebook anunciou oficialmente em sua prestação de contas trimestral que não é mais tão popular com os jovens.

Alguns dias atrás falamos sobre as razões pelas quais as pessoas estão saindo do Facebook, mas acontece que os jovens não estão saindo do Facebook, estão deixando ele de lado. Segundo esta reportagem do The Guardian, é cada vez mais comum ver jovens trocando o Facebook por aplicativos de mensagens instantâneas, como o WhatsApp, WeChat e outros. Além disto, estão trocando as redes sociais por serviços específicos, como o Instagram e a grande sensação do momento, o Snapchat.

Existem diversas razões para esta migração acontecer, mas entre elas a mais citada é a chegada da família a rede social. “Vítima de seu próprio sucesso”, como disse o The Guardian, o Facebook já passou de 1.2 bilhões de usuário e todo esse sucesso trouxe a curiosidade das gerações mais velhas, que começam a trocar o uso do email pelo vício em redes sociais. Mas em vez de unir a família, isto está mudando o comportamento dos jovens nestes serviços. Sabe aquela história de que você se comporta diferente na frente de seus pais? No Facebook é a mesma coisa. Toda aquela liberdade de expressão característica dos jovens logo se transformou em um palco de interações bizarras com a sua tia que comenta nas suas fotos. Não é a toa que os jovens estejam migrando para outras plataformas, eles não querem passar vergonha na frente dos amigos, isso sempre foi assim.

No final das contas, o Facebook pode até dizer que os jovens não estão saindo do Facebook, porque o número de usuários continua crescendo, mas talvez o engajamento deles já não seja o mesmo.

Facebook tenta se adequar comprando serviços

Apesar de admitir publicamente que tem tido problemas com o público jovem faz pouco tempo, o Facebook sempre soube destes problemas e fez de tudo para manter a sua popularidade entre este público. A compra de diversas startups, como Gowalla e o Instagram recentemente, deixam claro a estratégia da empresa de sempre se manter na moda, tentando atrair todos os públicos. Quando o Vine começou a se popularizar, o Instagram (que já era do Facebook) rapidamente se adequou ao formato de vídeos curtos. Eles não querem ficar para trás.

O sistema de mensagens do Facebook, conhecido como Facebook Messenger, se tornou cada vez mais uma ferramenta separada da rede social, ganhando o seu próprio aplicativo (você pode instalar o FB Messenger sem nem mesmo ter o Facebook instalado no seu smartphone) e a busca implacável pela popularidade ficou ainda mais clara quando começou a incorporar ao seu serviço diversas funcionalidade de outros aplicativos – como o WhatsApp. Entre as funcionalidade trazidas, está a possibilidade de adicionar nome aos grupos, enviar stickers (espécie de adesivos), integrar o aplicativo com o sistema de SMS dos aparelhos, entre outras.

Uma das mais recentes estratégias parece ter sido o Facebook Poke, uma clara cópia do Snapchat. O conceito básico consiste em enviar vídeos para outras pessoas e, depois de alguns segundos, esse vídeo some e nunca mais aparece. Conceito simples, mas que tem feito muito sucesso. Para você entender como o Facebook fez apenas para testar a popularidade de seu novo rival, Blake Ross, ex-funcionário do Facebook, publicou em seu perfil no Facebook que o app havia sido criado em apenas 12 dias.

snapchat-no-iphone

O medo da popularidade do Snapchat ficou ainda mais clara recentemente, quando os fundadores da startups anunciaram que haviam recusado uma oferta de 3 bilhões de dólares por sua empresa. De quem era a oferta? Isso mesmo, do Facebook! Para você entender, o valor é três vezes maior do que o que foi pago pelo Instagram, pouco tempo atrás.

O surgimento do Google+ pode ter assustado o Facebook, mas ao que tudo indica, ele não é o verdadeiro concorrente da rede social de Mark Zuckerberg.

Quanto tempo vai demorar para o Facebook querer lançar um concorrente do Tinder, ver que não consegue fazer melhorar e acabar comprando ele? Tinder é um dos apps que mais cresce no Brasil, que deve ser o segundo mercado deste aplicativo em breve.

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail