Blog, todo político um dia ainda terá o seu

Ninguém tem dúvidas de que a arena virtual será decisiva nas eleições de outubro. O exponencial crescimento da internet no país, onde somos 80 milhões de usuários, o barateamento dos dispositivos móveis e a tremenda obsessão dos marketeiros digitais em repetir o sucesso de Scott Goodstein, responsável pela invejada campanha em mídias sociais de Barack Obama para a Presidência dos Estados Unidos em 2008, deixam isso bem claro.

Um estudo inédito lançado em 2011 pela empresa Medialogue Digital mostrou como senadores e deputados federais têm ainda muitas dificuldades em usar a internet para se comunicar com os seus eleitores. A pesquisa “Político 2.0 Deputados Federais e Senadores” coletou mais de 70 mil dados, entre os dias 27 de junho e 9 de setembro, e trouxe um retrato minucioso sobre como os políticos federais se relacionam com as redes e mídias sociais.

Segundo o diretor da Medialogue, Alexandre Secco, a pesquisa deixa claro que muitos candidatos estão desperdiçando grandes oportunidades de marketing político, pois a web oferece ótimas ferramentas e de baixo custo para aproximá-los de seus eleitores. Por meio de uma boa estratégia de comunicação digital, o candidato pode opinar em temas relevantes, mobilizar grandes grupos em torno de uma causa, influir na agenda da mídia e o mais importante dialogar diretamente com seus eleitores, angariando votos.

Blog da Casa Branca e do Planalto

As ferramentas que possibilitam a interação são muitas e como o assunto rende matéria para vários livros, vou me ater ao uso do Blog, ferramenta à qual me simpatizo muito, dada à sua simplicidade para implantação e rapidez nos resultados. Para os marinheiros de primeira viagem e pouco familiarizados com o tecnicismo da coisa, um grande número de plataformas amigáveis, gratuitas e confiáveis estão disponíveis para atender a todos os gostos. Os mais populares, Blogger e WordPress oferecem a plataforma, o nome do domínio de graça e são fáceis de serem editados.

Alguns políticos utilizam com habilidade e destreza a blogosfera para fazer marketing político e mobilizar seus eleitores. Um desses é o deputado federal, Anthony Garotinho (PR‐RJ), apontado pela pesquisa da Medialogue como um exemplo de político bem antenado no uso das redes e mídias sociais. No Blog do Garotinho são publicados cerca de dez posts por dia útil em média, além de que ele interage muito bem com seus leitores. O blog ainda é um exemplo de engajamento, pois existem mais de 2,5 mil links externos apontados para ele, ou seja, milhares de blogueiros recomendam Garotinho.

Outro ponto interessante sobre Garotinho, um hábil comunicador, é como ele, por meio de seu blog, consegue subverter totalmente a Agenda Setting e usa a blogosfera com muita habilidade, não só para estar na mídia, mas, principalmente, para pautá-la. Atualmente, o blog dele é manchete em todos os meios jornalísticos por postar fotos e vídeos extremamente constrangedores do governador fluminense, Sérgio Cabral (PMDB/RJ), e seus principais secretários, em companhia do ex-dono da Construtora Delta, Fernando Cavendish – encrencado com a CPI do Cachoeira – em situações pouco condizentes com o decoro exigido de homens públicos, durante viagem de trabalho a Paris no ano passado.

Entretanto, para os pouco familiarizados sobre os meandros da mídia, os especialistas alertam que alguns cuidados são necessários para ter sucesso com um blog: possuir um bom layout conta pontos, publicar pelo menos dois posts por dia, dialogar com os eleitores, aceitando críticas e sugestões deles, estar bem informado sobre as pautas da mídia, mostrar domínio sobre o que postar, evitar discussões acaloradas com seus leitores e principalmente ser você mesmo a escrever o conteúdo. Segundo o jornalista e analista de mídias digitais, Sérgio Behrem Ribas, muitos políticos já tiveram péssimas experiências com blogs, sobretudo ao subestimar a inteligência do eleitor e desprezar seu efeito bumerangue.

Ribas alerta aos marketeiros e candidatos que uma das características mais marcantes em relação aos blogs é o espantoso efeito de propagação na rede que ele tem. Ele ilustra a situação com o case da jornalista e blogueira amapaense Alcinéa Cavalcante, que ganhou notoriedade na rede em 2006 por ser uma das principais articuladoras na blogosfera da campanha “Xô Sarney“, um movimento social criado no Amapá com a finalidade de impedir que o senador e ex-presidente, José Sarney, fosse eleito. O movimento ganhou simpatia dos internautas, chegou aos formadores de opinião, acabou pautando a mídia, tornou-se um viral e disseminou-se, rapidamente, por todo o país, chegando até ao exterior.

A jornalista sofreu mais de 20 processos de Sarney que por fim conseguiu fechar o blog dela. Entretanto, a atitude de Alcinéa, o conteúdo político da cruzada e toda a movimentação em torno da campanha foram alguns dos fatores que renderam a ela o “Prêmio Repórteres Sem Fronteiras” na votação popular do Best of the Blogs 2006, concurso internacional lançado pela cadeia noticiosa alemã Deutsche Welle para eleger os melhores blogs no mundo todo em diversas categorias.

Uma coisa é certa: as redes e mídias sociais estão intrinsecamente inseridas em nosso modo de viver e o meio político não pode desprezar tal fato, trata-se de uma questão de sobrevivência para quem vive da opinião pública. Além do que, quantos mais políticos aderirem ao digimundo, a transparência, a cidadania e o processo democrático se fortalecem. Iniciativas como a do deputado Garotinho e da jornalista Alcinéa são bem vindas e deveriam ser a regra e não a exceção entre os políticos brasileiros.

PUBLICADO POR

Marcelo Rebelo

Jornalista, relações públicas e pós-graduado em E-commerce. Prestou consultoria em comunicação social e virtual para o Senado Federal, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Programa Fome Zero, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Secretaria Geral da Presidência da República, Unesco e PNUD.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail