Youtube ou Facebook – Qual é a melhor plataforma para publicar vídeos?

Em 2011 escrevemos sobre os principais serviços de hospedagem de vídeos com o objetivo de avaliar qual seria o mais benéfico para ser utilizado. Alguns anos depois a questão permanece, mas os players mudaram um pouco, vale a pena revisitar essa questão.

A conclusão daquele post foi que existem diferentes serviços e cada um deles têm a sua vantagem, mas ainda assim o Youtube era o mais indicado, na verdade o serviço de vídeos do Google reinou absoluto por muito tempo, mas está com um concorrente muito forte agora, o Facebook, que ainda tem suas limitações, mas deve evoluir muito.

Naquela publicação o Facebook ainda era uma opção secundária, mas com o crescimento da rede social houve também um amadurecimento da sua plataforma de vídeos. E agora, mesmo que não anunciado oficialmente, é possível perceber o claro interesse da maior rede social de roubar o mercado do Youtube – e isto está acontecendo aos poucos.

Mas para nós, produtores de conteúdo e marcas que procuram uma plataforma robusta para publicação de vídeos, qual devemos recorrer? E quais são as vantagens de cada uma das plataformas?

Antigamente a escolha do Youtube era quase certeira, tirando alguns momentos em que o Vimeo poderia ser mais útil e profissional, hoje as coisas mudaram. O Facebook pode ser uma plataforma muito interessante, principalmente para aquelas marcas ativas no Facebook ou que tem a rede social como dos plataforma social central.

Vamos analisar algumas diferenças entre essas duas mídias sociais antes de aprofundar em cada uma delas e seus principais usos.

Uma das principais diferenças entre os serviços, que também é uma questão polêmica, é a forma como cada uma define o que é uma visualização. Enquanto o Youtube só conta como vídeo visualizado depois de o usuário ter visto pelo menos 30 segundos (ou metade do vídeo, quando ele é mais curto que isso), o Facebook conta a partir de três segundos – lembrando que a plataforma do Facebook tem o autoplay para vídeos dentro da timeline, o que resulta em um número maior de visualizações na plataforma de Mark Zuckerberg, mas não garante que as pessoas estão assistindo. O reflexo disso é que visualmente o Facebook parece ter mais resultados, mas o a sua taxa de engajamento pode acabar sendo muito menor que do Youtube.

Outro fator importante é que até então os serviços são muito diferentes em sua essência, apesar de serem concorrentes. O Facebook é uma rede social que quer virar plataforma de vídeo, enquanto o Youtube é uma plataforma de vídeo que quer virar uma rede social. Na prática, isso pode ser visto no modo como os vídeos são armazenados. No Youtube você pode ter uma página focada no seu canal, personalizada. No Facebook, você deve criar uma fan page e seus vídeos estarão dentro da aba “vídeos”. Ao que tudo indica, devemos ter mudanças nesta área do Facebook nos próximos meses, uma vez que a rede social já demonstrou interesse em apoiar mais os produtores de conteúdo.

Vamos analisar os pontos principais para a escolha de uma plataforma de publicação de vídeos e ver como cada uma das empresas se sai.

Limitações de Qualidade

A qualidade do vídeo é um dos pontos principais quando se vai pensar em uma plataforma de publicação. Atualmente o Facebook tem a limitação de vídeos em HD de até 1,75Gb e no máximo 45 minutos de duração, como informa o suporte da rede social. Enquanto isso, o Youtube tem uma limitação de 128Gb e no máximo 11 horas de vídeo, o que libera a opção de enviar vídeos em 4k (sim, mais que Full HD!) – lembrando que para enviar arquivos grandes assim a sua conta precisa ser verificada, mas isto é simples, acesse este link e cadastre o seu telefone.

Apesar dessa diferença gritante na limitação de qualidade – e levando em conta o fato de que o Facebook deve mudar isso em breve -, é relevante lembrar que com a explosão dos dispositivos móveis qualquer resolução superior a HD para dentro da web é para um público restrito, apesar de aconselhar sempre enviar na maior qualidade possível, você não estará perdendo muito se enviar o vídeo em HD. Qualidades superiores são boas e necessárias para alguns vídeos, principalmente se você realizar produções com 60 frames por segundo.

Vencedor: Youtube – apesar de achar HD o suficiente, o Youtube tem mais opções de qualidade.

Exposição

Quando falamos de qualquer ação que tenha como objetivo viralizar, é impossível negar que o Facebook é fundamental para que isto funcione, independente de onde seja publicado o seu conteúdo. Apesar de mencionar anteriormente que o número de visualizações do Facebook é “fantasma”, contando visualizações a partir dos 3 segundos ao invés de 30 segundos, como é no Youtube, o Facebook viraliza com muito mais facilidade.

Um fator relevante para se considerar aqui é que o Facebook irá sempre priorizar os vídeos publicados em sua plataforma, ao invés de vídeos publicados em plataformas terceiras – apesar de isto não ser uma informação oficial, é meio óbvia. Sendo assim, vídeos publicados dentro da plataforma tendem a viralizar com mais facilidade. Se a sua empresa possui uma atuação forte no Facebook, como uma estratégia digital focada em uma página no Facebook, a plataforma de vídeos do Facebook provavelmente trará bem mais resultados nesta área.

Até pouco tempo atrás o Facebook não permitia incorporação de seus vídeos em outros sites, o que dava uma certa vantagem para o Facebook, mas isso já mudou, agora você pode incorporar o seu vídeo tanto do Youtube como Facebook em qualquer outro site com facilidade.

Grande parte do público do Facebook está em dispositivos móveis, o que deve ser considerado na hora de produzir conteúdo para a rede social, mas devemos lembrar que o Youtube tem um excelente alcance em outras mídias, uma vez que possui aplicativo para quase qualquer plataforma, incluindo Smart TVs, videogames, media centers e funciona com o Chromecast, do Google.

Vencedor: Facebook – Apesar de não podermos contar apenas views, o Facebook tem uma plataforma mais robusta para viralização do conteúdo.

chromecast-youtube_ok

Copyright e Direitos Autorais

O Youtube, como plataforma mais madura, tem um maior controle sobre direitos autorais de vídeos e áudios. Isso é muito relevante, dependendo de que lado do copyright você está. Para quem tem seu material inédito sendo copiado, plagiado ou redistribuído ilegalmente, o Youtube apresenta ferramentas melhores para combater essa pirataria. Enquanto no Facebook uma acusação de plágio deve ser feito através de um formulário e pode levar alguns dias para remoção, o Youtube possui o Content ID, que é o cadastro de materiais audiovisuais em um banco de dados que examina automaticamente tudo que é publicado no Youtube e bloqueia ou reporta automaticamente aquele material.

O Content ID pode automaticamente bloquear o áudio do material, bloqueá-lo completamente, gerar receita para você ou apenas ter acesso as estatísticas. O funcionamento desta ferramenta é descrita melhor neste link.

Apesar de isto parecer ótimo, essa barreira de direitos autorais acaba limitando a produção de alguns conteúdos, visto que algumas vezes você não irá conseguir utilizar determinadas trilhas ou imagens de outros vídeos, podendo ter inclusive sua conta bloqueada caso isso seja recorrente.

Vencedor: Empate – Apesar do Youtube ser melhor para reivindicar direito autorais, isso pode tornar a publicação de vídeo para pequenos produtores mais difícil.

Personalização & Branding

Ao menos por enquanto, o Facebook não tem uma forma de centralizar, gerenciar e organizar os seus vídeos, portanto no quesito personalização o Youtube sai na frente também. O gerenciamento de listas, personalização do canal, links e anotações dentro dos vídeos da ao Youtube uma vantagem muito grande, mas sabemos que isso pode mudar em breve.

Os seus vídeos no Facebook ficam veiculados a sua página, que pode ser personalizada, mas ainda assim é inferior a quantidade de informações, links e descrições que você pode usar dentro do Youtube.

Vencedor: Youtube – É nestes pontos que a plataforma do Google se mostra mais madura, dando mais ferramentas e opções para o publicador.

Acesso a dados e informações

O maturidade do Youtube novamente se mostra presente, dando acesso a dados mais profundos sobre como, quando e onde o seu vídeo está sendo assistindo da um maior controle sobre quem e como assistem o seu vídeo, podendo melhorar as próximas publicações e otimizando com o tempo.

Vencedor: Youtube – O painel de informações do Facebook é bom o suficiente, mas o Youtube ainda oferece mais informações.

Anúncios

Se você faz uma grande produção, com certeza vai querer ver ela ir mais longe e tanto o Facebook como o Youtube oferecem excelentes ferramentas de anúncios. Os formatos dentro do Youtube para promover o seu vídeo são o pre-roll (aquele vídeo de 5 seg antes de começar o vídeo), os banners dentro do vídeo e banners dentro do site. Enquanto isso o Facebook oferece a possibilidade de impulsionar a publicação do Facebook, não apenas o vídeo, desta forma a exposição acaba sendo muito maior e consequentemente traz mais resultados para o vídeo.

Dependendo da sua estratégia, ambas as ferramentas oferecem formatos interessantes.

facebook-video-exemplo_ok

Vencedor: Facebook – Apesar de achar que aqui poderíamos ter um empate, os formatos de anúncio do Facebook podem dar mais visibilidade a publicação, não apenas o vídeo.

Remuneração

Está trecho é focado em produtores de conteúdo, que pretendem conseguir algum retorno financeiro com a plataforma. Neste quesito o Youtube é, sem nenhuma dúvida, muito superior, até porque o Facebook hoje não* oferece nenhum retorno financeiro para vídeos publicados em sua plataforma.

* O Facebook já testa com algumas empresas de mídia a remuneração por publicação de vídeos e deve, nos próximos meses, trazer algo semelhante para produtores independentes de conteúdo. Mas por ser algo restrito e ainda não existente para maioria, não podemos considerar.

Vencedor: Youtube – Mas isso pode e deve mudar nos próximos meses.

Os concorrentes

No post anterior, o principal concorrente do Youtube era o Vimeo e, no geral, continua sendo. Ele tem uma plataforma muito semelhante ao do Youtube e por isso deve ser considerado, mas o seu foco acaba sendo muito mais em grandes produções, como curta metragem, documentários, filmes e outros trabalhos audiovisuais. Apesar de achar improvável que o Vimeo se encaixe bem em alguma estratégia, pode ser interessante para quem quer montar portfólio e/ou pretende usar vídeos para treinamentos e aulas, uma vez que a plataforma para este tipo de publicação pode ser ligeiramente mais robusta que do Youtube.

Serviços como Flickr, que também foi mencionado no post anterior, Videolog ou DailyMotion, são plataformas diferentes e que podem ser usadas, mas em geral apresentam poucas (ou nenhuma vantagem) em relação ao Youtube e Facebook. Não vejo porque recomendar qualquer destes outros serviços.

Independente da sua escolha de plataforma de vídeos, uma questão que deve ser levada em consideração é não apenas o número de visualizações, mas o quão benéfica pode ser essa plataforma para você a longo prazo. Para quem é criador de conteúdo, vloggers ou blogueiros em geral, o Youtube (ao menos por enquanto) se mostra muito mais útil para criadores profissionais de conteúdo para a internet. O pessoal do canal In a Nutshell explorou um pouco mais profundamente esta questão neste vídeo.

O blog brasileiro Brainstorm9 também explorou essa disputa entre os dois gigantes dos vídeos recentemente em seu podcast, que poder ser ouvido aqui.

Para aqueles que já possuem uma estratégia dentro do Facebook, a publicação dos vídeos lá dentro para uma marca é mais recomendado, pois ajuda não apenas a expor mais a marca, mas traz benefícios para a página que acabam gerando mais engajamento e visualização para as outras publicações. Para grandes produções, como séries e documentários, pode ser mais interessante trabalhar com o Youtube, assim como para aquelas marcas que já utilizam o Youtube para publicação de vídeos.

Apesar de pessoalmente achar o Youtube uma plataforma muito mais interessante, o crescimento do Facebook mostra que ele pode ser interessante muitas vezes, mas também coloca um concorrente forte na briga, o que pode obrigar o Youtube a melhorar algumas de suas ferramentas – é como sempre dizem, concorrência sempre é benéfico para o consumidor.

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Leia mais sobre
,
Novidades e atualizações, direto em seu e-mail