Será que o Facebook vai durar 10 anos? #cirandablogs

No futuro, o Facebook deve continuar investindo nestes pilares.

No futuro, o Facebook deve continuar investindo nestes pilares.

Em 4 de Fevereiro de 2009 o Facebook completou cinco anos de existência. Em 2014, a rede social criada por estudantes de Harvard completará 10 anos. O bolo de aniversário vai vir com 10 velhinhas e muitas perguntas: “Será que a rede social vai sobreviver outros 10 anos?” – Se você me perguntar isso hoje, eu diria que não, mas só vendo para crer.

Aqui no Brasil a rede social “surgiu” mesmo no final de 2010, começando a ser usada por um número grande de usuários apenas  durante o ano de 2011-2012. Enquanto isso, nos EUA, a rede social já existia há mais tempo. Para nós ainda parece novidade e é muito difícil imaginar que a rede social já vai fazer 10 anos desde a sua fundação.

O aumento contínuo de internautas no Brasil e adoção do Facebook pela grande mídia (incluindo televisão e publicidade) ajudaram a rede social a crescer muito por aqui, se tornando um dos principais mercados do Facebook. Atualmente o Brasil é um dos países que mais cresce lá dentro e também é o segundo maior em número de usuários. Nos EUA, onde a rede social já é bem mais madura – e maior que aqui-, já se fala em declínio no uso. O pico de buscas incluindo o termo “facebook” teve o seu maior índice em Dezembro de 2012, mas, apesar disso, o Google Trends aponta que as buscas voltarão a crescer nos próximos meses.

Apesar de Mark Zuckerberg negar que os jovens têm abandonado a sua rede social, textos como aquele que ‘viralizou’ em Agosto, sobre o menino de 13 anos que diz que nenhum de seus amigos usa mais o Facebook, aparecem. O fato de não ser permitida a criação de conta para menores dentro da rede social e a falta de dados oficiais faz com que essa discussão seja sem fim. Os principais problemas apontados para o abandono por parte dos jovens seria a chegada de seus pais na rede social, problema que vemos se tornar cada vez mais comum em terras brasileiras também. Além disso, alguns acusam os frequentes problemas de privacidade enfrentados pela rede social, apesar de ter certeza que os jovens se importam muito pouco com isso. Abandonado por jovens ou não, o Facebook já passou do 1 bilhão de usuários e continua crescendo. Diversos usuários reclamam da falta de conteúdo relevante, falta de privacidade, excesso de anúncios, enfim, as razões para excluir a sua conta não são poucas, mas ao mesmo tempo, sabemos que ninguém quer excluir a sua conta e ficar sem ter para onde ir. Migrar de rede social é um processo árduo e lento, o que diga o Orkut, que apesar de já ter sido declarado morto lá em 2009-2010, continua vivo até hoje.

Do Orkut ao Facebook

Os erros que levaram a morte do Orkut e tantas outra redes sociais são vários, como a falta de inovação e o excesso de conteúdo de baixa qualidade. Isso matou tantos serviços quanto podemos contar em nossos dedos, mas ao mesmo tempo, devemos lembrar que eram tempos diferentes. O Facebook lança novidades com bastante frequência; quando não consegue, compra algum serviço que ajude a preencher essa lacuna – como é o caso do Instagram. A rede social fatura milhões de dólares, é uma empresa milionária antes de tudo. Pelo gráfico abaixo, podemos ver o grande declínio do Orkut, mas sabemos que o Facebook tem centenas de pessoas trabalhando na empresa que olham para estes dados todos os dias e estão alguns anos à frente da gente quando se fala dessa empresa. Ela não irá acabar tão cedo, pelo menos não da forma que imaginamos.

Para dizer que o Facebook irá morrer em em algum momento, precisamos definir o que iremos considerar morto. Morto como o Google Buzz, como o Orkut ou como o Google+? Se estamos falando que vai ser morto como o Google Buzz, eu acredito que não. Por mais que milhões de pessoas abandonem os seus perfis, isso não acontecerá de forma tão rápida e o serviço iria lançar diversas novidades e comprar diversas empresas antes de precisar fechar as portas completamente; Morrer como o Orkut é o caminho mais provável, pois eu realmente acredito que outros serviços irão aparecer e a perspectiva de uso da internet irá mudar bastante em 10 anos. O que procurávamos em uma rede social há cinco anos já é muito diferente do que procuramos hoje e será muito diferente daqui a 10 anos. Portanto o mais provável é que ele irá morrer, mas continuará sendo usado por um número de pessoas o suficiente para manter o serviço ativo por alguns anos. “Morto” como o Google+, na minha opinião, seria se manter como um serviço relevante, mas sem grandes planos para o futuro. Isto é improvável, porque chegará em algum momento que as pessoas cansarão de usar a rede social e caso a rede social mude muito, perderá os seus usuários mais fiéis.

Quem irá tomar o lugar?

Eu realmente acredito que não existira um serviço que substitua o Facebook, mas vários serviços. Talvez o “Facebook Login”, funcionalidade de criar contas associadas à rede social, seja mais importante do que a própria rede social daqui a 10 anos. Portanto, o serviço continuaria relevante, mas apenas para acessar outras dezenas de serviços.

Não podemos nos esquecer que a morte de tantos serviços foi a concorrência. Se o Google+ conseguir agregar valor ao seu serviço, talvez as pessoas comecem a migrar para lá. É difícil saber o que as pessoas vão querer daqui a alguns anos dentro da internet… talvez elas queiram apenas um email tradicional ou talvez queiram apenas um email mais moderno. Talvez elas se preocupem mais com a sua privacidade, daí redes sociais como o Path, que é focado em compartilhamento com um número máximo de pessoas, podem se sobressair. Quem sabe?

PUBLICADO POR

Dennis Altermann

Fundador-Editor aqui no blog Midiatismo, trabalhando com marketing digital na DuPont Pioneer do Brasil. Entusiasta e estudioso nas áreas de comunicação, cultura, comportamento e tecnologias digitais.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail