O Twitter McLuhiano


Este é um texto enviado por um leitor, não necessariamente reflete a opinião do blog.
Para ver o seu texto aqui também, acesse colabore.

Para quem não conhece, nunca ouviu e muito menos viu, McLuhan é um dos ilustres teóricos da comunicação que dedicou seus dias a estudar e entender esse processo emissor-receptor. Escreveu obras como “Os meios de comunicação como extensão do homem” ou “Guerra e Paz na Aldeia Global”.
Então, por que não aplicar as teorias McLuhianas nas novas mídias e entendê-las como meios? Vamos tomar o Twitter como exemplo e explorar a Teoria “O Meio é a Mensagem”.
Nosso teórico explica que o meio é determinante para o que será comunicado. Quando ele diz “o meio é a mensagem” não há muito para onde correr, com linhas de pensamentos distintos e filosofias dentro da teoria. O meio é a mensagem e ponto. O canal responsável pela transmissão da mensagem não é apenas uma ponte, pois por si só carrega uma informação prévia.

Para entender melhor, vamos logo partir para nosso objeto de estudo, o Twitter. Quando você, um twitteiro de mão cheia, acessa seu perfil sente que algo muda no modo de se expressar? Ali você tenta ser mais culto, mais influente, mais presente, mais importante? Pois então, o próprio Twitter já carrega uma informação, uma mensagem, a famosa “seja relevante”.

Claro que você pode desconsiderar essa mensagem e viver uma realidade só sua no microblog, postando 140 caracteres qualquer sem nenhum compromisso com o amanhã. Porém, há de se pensar no caso de rever os conceitos para que suas mensagens criem impacto. Além dessa mensagem subentendida, existem aquelas que são próprias do meio digital, como a velocidade instantânea na troca de informações, a difusão extensa e a possibilidade de encurtar espaços.

O que quero dizer, ou McLuhan queria, é que existem características personalizadas de cada meio, tais quais levam esse meio a se tornar único e a afetar a maneira como as mensagens serão transmitidas por ele. O Twitter impõe sua linguagem e nos adequamos a ela sem titubiar, afinal ninguém quer ser um #fail.

Comparando, já pensou comunicar na televisão como você comunica no Twitter? Seria engraçado um repórter falar exatamente o que um outro, de outra emissora, comentou há alguns segundos e mencionar “Via Fulaninho”. Ou então, comentar um fato qualquer e no fim dizer “Revolts feelings”. Um tanto quanto fora de contexto.

No fim, é isso. Aqui, o Twitter seria a mensagem. Você concorda ou acha McLuhan fora de foco?

PUBLICADO POR

Cyntia Bravo

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail