O E-mail Marketing não morreu!

É equivocado dizer que e-mail marketing é coisa do passado, da mesma forma que não se pode afirmar que o e-mail cairá em desuso, pelo menos não por enquanto. E sim, é comunicação de massa, mas não é SPAM. O e-mail marketing feito da forma correta gera resultados, agradando os consumidores e as empresas, então vamos para algumas dicas.

post sobre e-mail marketing

Segundo Indicadores ABEMD (Associação Brasileira de Marketing Direto) de e-mail marketing, 2010, 78% das campanhas de marketing direto utilizam o e-mail marketing; sobre o retorno, 17% das empresas consultadas tiveram de 10 a 15% da receita total obtida por e-mail marketing; sobre os objetivos, 36% usam o e-mail marketing para promoção e 33% para vendas. (1) E os dados não param por aí, mas com estes já é possível ter uma breve ideia de que e-mail marketing não é de se jogar fora, não concordam? O problema é que nem sempre as empresas fazem o uso desta ferramenta de marketing da forma correta.

 

Não faça SPAM faça e-mail marketing

 O primordial antes de começar a realizar disparos de e-mail marketing é ter um mailing saudável. E o que seria isto? É ter uma base de dados “opt in”, ou seja, cadastros que a empresa coletou dos seus próprios clientes e não comprando pacotes de base de dados em sites por aí.

Mas também não adianta sair disparando e-mail marketing para o seu mailing, se ele não foi conquistado, pois é preciso adquirir estes e-mails através de cadastramento pelo site, pelas redes sociais ou outros locais que a sua empresa dispõe para fazer esta coleta de e-mails. Então, você pode ter um mailing saudável ou uma base dados que vai lhe render uma boa dor de cabeça com problemas de spam. A escolha é sua.

 

Mailing saudável

Para ter uma base dados saudável crie campanhas de cadastramento, incentive os seus consumidores e clientes a se cadastrarem para receberem as notícias e novidades da sua marca e de seus produtos ou serviços.

Não caia na besteira de disparar e-mail marketing para uma base de dados comprada, pois são pessoas que não optaram por receber e-mails da sua empresa e que, muito provavelmente, nem vão chegar a abrir o e-mail ou vão clicar em spam. Enquanto mais usuários clicarem em “spam”, o seu programa de envio de e-mails poderá ser impedido de fazer os disparos para grande quantidade de usuários e os e-mails já vão automaticamente para a caixa de spam. Para esclarecer mais sobre a prática de SPAM, deixo aqui a referência de um artigo do site “antispam.br”.

Esta é a dica inicial, e mais importante, para começar uma relação com seus clientes. No site da ABEMD há um artigo que enumera as boas práticas para o envio do e-mail marketing, que vale a pena ler quem precisa desta atividade para a sua área de trabalho. E é claro, que se recomenda ter sempre o destinatário visível e de fácil identificação para os usuários; ser criativo e também objetivo no “subject” do e-mail, pois é o primeiro contato que o usuário tem quando o vê na caixa de entrada; não produzir e-mails com arquivos muito pesados, pois os usuários podem desistir de abri-lo e seu objetivo vai por água abaixo; e deixe sempre a opção de “unsubscriber” no final do e-mail. Mas, além disto, também fique atento com a segmentação. (2)

 

Segmentar para alcançar voos altos

Uma base dados segmentada pode gerar mais resultados, pois, desta forma, se aumenta a relação com o cliente.

Por exemplo, você tem uma empresa que vende peças de automóveis e colocou em seu site um formulário de cadastramento para começar a criar o seu mailing. Neste formulário, é essencial ter as opções de nome, e-mail, sexo, idade e preferências, pois, desta forma, é possível criar campanhas de e-mail marketing segmentadas para o público feminino e masculino e para o público jovem, adulto ou idoso. (3)

E nas preferências, você pode deixar a opção do tipo de informações que os seus clientes podem obter como, por exemplo, dicas sobre como cuidar do carro, informações sobre peças novas nas lojas, entre outros. Desta forma, você envia apenas o que seus clientes querem ler e evita o aumento de insatisfeitos e “opt out” (unsubscriber). (3)

 

Mensuração é a alma do negócio

Por fim, nunca deixe de mensurar. Para ajudar a avaliar as estatísticas dos disparos de e-mail marketing, aconselho a usar uma ferramenta profissional, que já disponibiliza várias informações sobre os resultados dos disparos, além de auxiliar na segmentação da base de dados, com os testes A/B, na criação de layouts, entre outros.

Há vários dados importantes possíveis de se avaliar para aprimorar cada vez mais as suas campanhas de e-mail marketing. Dentre eles estão: e-mails enviados, aberturas, clicks únicos, taxa de unsubscribers, porcentagem de clicks em cada área da peça, encaminhamentos e clicks nos botões das redes sociais. Em algumas ferramentas é possível agregar com o Google Analytics e ter uma visão bem mais ampla dos dados, mas com estes citados, que normalmente as ferramentas já disponibilizam, dá para avaliar bem os resultados através de cruzamentos de dados.

Por exemplo, você pode descobrir quais tipos de “subjects” geram mais aberturas e clicks, quais os horários que dão mais retorno, se os usuários estão impactados ao ponto de quererem compartilhar o assunto do e-mail com outras pessoas, quais são os temas que têm maior aceitação e por aí vai. Portanto, a mensuração pode lhe dizer muito sobre suas campanhas, e é essencial para toda e qualquer campanha de marketing.

Gostaram das dicas? Deixo aqui os sites de referência usados como auxílio para este artigo, caso alguém tenha interesse em se aprofundar neste assunto. Até os próximos posts!

 

Referências:


Imagem: http://www.sxc.hu/photo/1369223
Novidades e atualizações, direto em seu e-mail

Publicado por

Natália Alves

formada em Jornalismo e Publicidade e Propaganda. Trabalho na área de Mídia Online, especificamente com Performance. Amo o que eu faço e sou viciada em Netflix, uhuahuahuahuah.