Futuro do E-commerce: 3 coisas que vão mudar como compramos

futuro-lojas-virtuais-redes-sociais-tablets

Em um mundo onde cada vez mais as pessoas utilizam as redes sociais e os dispositivos móveis para se comunicar, a impressionante escalada do tráfego de referência do Facebook passando até mesmo o próprio Google, uma pergunta fica no ar: Até onde o e-commerce vai mudar ao que já estamos acostumados?

O fato é que aqueles que se adaptam a nova forma de comprar dos seus clientes ficam à frente da concorrência e, portanto, têm uma vantagem competitiva muito grande. Há até os visionários que veem coisas que para muitos de nós parece estranho.

A Amazon que já falou lá no passado (olhe o vídeo logo abaixo) que os seus drones iriam entregar o produto bem rápido, já anunciou que os drones vão entregar nos EUA em até menos de 30 minutos a depender do local.

Você já sabe que tendências que o comércio eletrônico deve seguir? Já pensou sobre elas? Como sua loja virtual vai estar adaptada às mudanças de paradigma que vêm por aí? Vamos responder algumas dessas perguntas neste artigo.

O Que Você Vai Aprender

  • O Futuro Reserva Lojas Virtuais Diretamente Nas Redes Sociais
  • Dispositivos Móveis Cada Vez Mais em Foco
  • Como o Conteúdo e SEO Vão Diferenciar Sua Loja Online

O Futuro Reserva Lojas Virtuais Diretamente Nas Redes Sociais

Todo comerciante sabe que as lojas devem ser colocadas onde nosso público mais frequenta, geralmente você vai encontrar muitas lojas em Shoppings, grandes centros comerciais, resumindo, onde há bastante fluxo de pessoas.

O que vinha acontecendo nas redes sociais, no entanto, é que havia um grande centro de tráfego (as próprias redes sociais) e, apesar de linkarmos produtos da nossa loja virtual lojavirtualdosenhorquevendenainternet.com.br à página do Facebook, os clientes tinham que clicar no produto postado, ir ao nosso site e olhar os produtos em que estavam interessados. Os vendedores mais experientes sabem que isso é mais um passo dentro do funil de vendas e, quanto menos passos, maior a chance de uma conversão.

Então, por que não levar a nossa loja ao shopping (redes sociais)? Ou seja, ao invés de cruzar nossos dedos e esperar que os nossos fãs nas redes sociais cliquem no link que direcionava ao produto em nossa página localizada fora da rede social, por que não levar o produto até eles e facilitar o processo? É lógico pensar que não apenas deveria haver a matriz da nossa loja virtual em um endereço específico na internet se é possível espalhar essa loja online para outros locais. Concorda?

Percebendo o grande fluxo de pessoas nas redes sociais, grandes plataformas de e-commerce se moveram no sentido de facilitar ao máximo a experiência do cliente nas lojas virtuais dos seus lojistas. Tanto o Bigcommerce quanto o Wix e o Shopify já oferecem opções de vendas para lojistas diretamente no Facebook, o último oferecendo já uma versão em português.

O Pinterest oferece o que eles chamam de “Buyable Pins” (algo que seria traduzido como Pins Compráveis) onde o vendedor pode vender diretamente no Pinterest todos os seus produtos com as plataformas que eles estão integrados.

Seria esse então o futuro do e-commerce? Estar atrelado às redes sociais? Pelas tendências que enxergamos parece ser o viável no momento, você deve estar onde os seus clientes estão. Dito isso, há uma tendência cada vez mais crescente de pessoas comprando através de dispositivos móveis, assunto do nosso próximo tópico.

Dispositivos Móveis Cada Vez Mais Em Foco

Segundo dados do Shopify, os dispositivos móveis já passaram os computadores desktop na proporção de 50.3% para 49.7%, esses dados foram retirados analisando 100.000 lojas virtuais.

Em 21 de Abril do ano passado, o Google lançou um update em que ele começou a dar mais importância aos dispositivos móveis visando a experiência do usuário na página, ou seja, páginas que se preocupam em estar otimizadas para o usuário podem ter seu ranking elevado no Google.

Com certeza, após ver o crescimento de sua base de usuários aumentar para dispositivos móveis, fez com que o Google começasse a pensar que ranquear as páginas otimizadas era o caminho a ser seguido no futuro.

Se você tem uma loja virtual e está curioso em saber como está a sua página, faça um teste no https://developers.google.com/speed/pagespeed/insights/.

Tela do Google Developer PageSpeed Insights

Se a sua loja online ainda não está dentro dos padrões esperados pelo Google para dispositivos móveis, contrate algum programador para fazer com que a experiência do seu usuário neles seja a melhor possível.

Como essa é uma tendência crescente, acredito que os dispositivos móveis devem dominar as pesquisas no Google muito mais cedo do que se imaginava, esteja preparado para esta mudança.

Como o Conteúdo e SEO Vão Diferenciar Sua Loja Online

De vez em quando, na minha agência, recebo algumas ligações onde o cliente fala que quer ranquear para as palavras-chave x,y,z,w num período curto de tempo para o domínio domínio.com.

Infelizmente há uma grande quantidade de conteúdo na internet e coisas que funcionavam há 3 ou 5 anos atrás em SEO não funcionam mais hoje, o SEO MUDOU. Não há como ranquear para apenas as palavras-chave que queremos. Os donos de lojas virtuais acham que vão entrar no Google com o termo “Melhores Fones de Ouvido” e seu produto vai estar logo de cara sendo vendido. Vamos ver se isso procede?

exemplo-busca-melhores-fones-de-ouvido

Dos 5 melhores resultados, apenas 1 que não estava nos primeiros lugares me direcionou diretamente para um produto, todos os outros resultados direcionaram para artigos que falavam ou sobre análise dos fones de ouvido ou eram artigos sobre estudos, ou comparações feitas entre eles.

Algo mudou correto? Conteúdo relevante sobre “Fones de Ouvido” é o que está ranqueando e é isso que o Google espera. O Google se move para um caminho onde você vai ser obrigado a ter conteúdo relevante para ajudar o usuário na hora de comprar, não um monte de propaganda sobre o seu único fone de ouvido.

O Google está falando para você que se você quiser que o seu produto esteja na primeira página, você deve pagar por ele nos anúncios do Google (Adwords), caso contrário, você deve escrever algo relevante para as pessoas que procuram aquele termo.

Lembre-se de otimizar o seu site para o usuário e não para o Google.

Conclusão

O modo que compramos hoje através do e-commerce vai mudar radicalmente no futuro. Quem estiver preparado e entender as mudanças e se adaptar vai estar um passo à frente dos outros, caso contrário, ficará para trás. Dispositivos móveis, lojas virtuais nas redes sociais, SEO e conteúdo devem estar no radar dos empreendedores e marqueteiros se querem sobreviver.

Gostou do artigo? Deixe seus comentários abaixo.

 

 

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail