As mídias sociais serão tão onipresentes quanto a eletricidade – Entrevista com Tara Hunt


Este é um texto enviado por um leitor, não necessariamente reflete a opinião do blog.
Para ver o seu texto aqui também, acesse colabore.

Para a especialista em comunicação Tara Hunt (@missrogue), as redes sociais não são apenas poderosas, mas fundamentais. Por esse motivo, a canadense, escolhida a mulher mais influente em tecnologia pela revista “Fast Company”, acredita que, mais que promover ou divulgar seus produtos, uma empresa deve usar as mídias sociais para engajar seus consumidores e dar a eles a oportunidade de defender suas ideias e interesses.

Hunt, CEO da Buyosphere.com, recém-lançada rede social que ajuda as pessoas a comprarem, é também autora do livro “O Poder das Redes Sociais”. Na obra, já traduzida para 8 idiomas, a especialista descreve o que ela chama de “Fator Whuffie”, ou seja, o capital social, que hoje é utilizado como moeda de troca no mundo virtual.

Em suas mais de 100 palestras realizadas em várias partes do mundo, Tara Hunt defende que as empresas devem mudar a forma de se comunicar e focar seus esforços na experiência do
consumidor. Isso significa dar atenção aos detalhes e valorizar seu capital social, que através das mídias sociais pode alcançar proporções inimagináveis.

Foto de Lane Hartwell

Nesta entrevista, a especialista é categórica em afirmar que qualquer tentativa de medir o ROI nas mídias sociais poderá ser infrutífera: “Não conte tweets e retweets. É perda de tempo.” Leia a seguir:

 

Qual é o real poder das mídias sociais nos dias de hoje?

As mídias sociais não são apenas poderosas, mas fundamentais. Não há sequer um negócio que não seja impactado por elas. Com quase 800 milhões de usuários ativos no Facebook e um anúncio do YouTube valendo mais que o do Super Bowl [campeonato de futebol americano], eu diria que as mídias sociais deixaram de ser uma opção – como eram num passado recente.

 

Quais são as principais mudanças causadas pelo uso diário das mídias sociais?

Os consumidores são agora o centro da conversa. O que significa que as regras de engajamento são completamente diferentes. Hoje, não importa mais o que você tem a dizer. O que importa é ajudar seus clientes a falar o que eles têm para falar (especialmente se for um elogio para a sua empresa).

 

O que é o “fator whuffie” sobre o qual você comenta em seu livro? Qual é o valor dele para os negócios?

“Whuffie” é uma palavra divertida para “capital social” ou “reputação” – o termo foi cunhado por Cory Doctorow em seu livro “Down in Out in the Magic Kingdom”, onde ele discute um futuro sem dinheiro como o conhecemos hoje. Em vez disso, as pessoas usam moedas sociais para ganhar a vida. E você ganha moeda social por ser agradável, estar em rede e ser notável. Li o livro de Cory e pensei: “Uau, ele não está falando de um futuro fictício. Ele está falando sobre o que está acontecendo hoje em comunidades online.” Se uma empresa quer se envolver adequadamente com seus clientes ou potenciais clientes no mundo virtual, ela precisa ter “whuffie”, não dinheiro.

 

Como deve ser a escolha da melhor ferramenta (Twitter, Facebook, LinkedIn etc) quando uma empresa decide divulgar seus produtos?

Por que escolher? Por que promover? E por que começar com uma ferramenta? Onde estão seus clientes? Comunique-se com eles. Não promova, construa relações. Ajude seus clientes a se posicionar. Se fizer um bom trabalho e der a eles as ferramentas certas, seu caminho será mais impactante.
Cada vez mais jornalistas têm usado as mídias sociais em busca de fontes e pautas. Qual é a sua opinião sobre esse tipo de uso das ferramentas online?

Na verdade, tenho visto pouquíssimos jornalistas melhorar sua reputação online, encontrar pautas e pesquisar sobre determinados assuntos nas mídias sociais. Acredito que elas sejam apenas mais uma ferramenta para esses profissionais. E elas estão em todos os lugares.

 

O que você pensa sobre o uso das mídias sociais pelos políticos?

Eu só queria que pudéssemos usá-las como cidadãos para que conseguíssemos engajar nossos políticos numa conversa, ao invés de simplesmente usá-las como plataforma para autopromoção. Isso seria mais eficaz.

 

Como medir o ROI nas mídias sociais?

Se sua intenção é medir ROI, você não está fazendo a coisa certa. Eu sou a favor das métricas, mas não se deve optar por usar ou não usar as mídias sociais com base em algum retorno para seu “investimento”. Leve em consideração dados sobre como as pessoas chegaram ao seu site, se elas se cadastraram, se elas realmente se engajaram com o conteúdo ou se permaneceram navegando, se elas pagaram por algo ou ainda se elas contaram aos seus amigos. Não conte tweets e retweets. É perda de tempo.

 

Na sua opinião, qual deve ser o futuro das mídias sociais?

Na verdade, não espero muita coisa. Espero que ninguém fale sobre esse assunto novamente. As mídias sociais serão tão onipresentes quanto a eletricidade.

Mais sobre Tara Hunt
Site: www.tarahunt.com
Slideshare: http://www.slideshare.net/missrogue
Blog: http://www.horsepigcow.com/

PUBLICADO POR

Paco Llistó

Jornalista e CEO da Midiatix, agência especializada em mídias sociais com sede em São Paulo.

Novidades e atualizações, direto em seu e-mail